27 janeiro 2006

Amigos versos responsabilidades de deveres

Ainda há pouco tempo tive uma prova de fogo daquelas que todos nós fugimos, das que ninguém quer ser o carrasco.

Então, para mim os amigos estão sempre cá dentro, no coração, são um sentimento querido, os deveres e as obrigações são racionais, estão cá dentro, mas na cabeça não no coração.

Lidamos com estas 2 faces da nossa vida de forma separada e tentamos sempre não as misturar. Quando isso acontece a reacção mais fácil é fugir.

Eu sempre achei que seria amiga das pessoas tendo respeito por elas, tratando de igual para igual o que significa falar das coisas boas e das coisas más. Ser leal.

Agora quando se juntam os 2 ai, dói e bastante.

As responsabilidades e os deveres, marcam o carácter das pessoas, eu explico. Quanta mais responsabilidade a pessoa tem, mais importante será e tem de saber, mais do que nunca, distinguir o que é pessoal do que é o dever, depois há quem fique com o rei na barriga.

Nos momentos fundamentais de decisão, só se quer não ter de tomar decisões e há muitas pessoas que não as tomam e fogem.

Eu espero e luto para ser uma pessoa com carácter e fazer o que tem de ser feito, sempre respeitando das outras pessoas e principalmente os meus amigos.

- Por vós 2 e porque ontem me custou muito ter de tomar uma decisão, quero que saibam que os 2 estão cá dentro, mas no coração -

2 Comments:

Anonymous micas said...

Tenho a certeza que os teus amigos compreendem e te respeitam pela tua preocupação...

Percebo quando dizes que "Quanta mais responsabilidade a pessoa tem, mais importante será"; mas penso que o que querias dizer não se prende exactamente com a "importância" que a pessoa passa a ter, mas antes com a "importância" que as atitudes dessa pessoa passam a ter em resultado das responsabilidades que assume... por isso é que, para o bem e para o mal, quem toma decisões em face das suas responsabilidades às vezes é olhado como "carrasco". Aos outros, aos do rei na barriga, nem vale a pena ligar...

Mas sobre isto das "responsabilidades" acho que ainda há mais uma coisita a acrescentar, de carácter geral, que nada tem a ver com esta situação. À medida que uma pessoa adquire mais responsabilidades, em particular quando tal acontece por opção própria, a pessoa não pode deixar de agir em consonância, sob pena de faltar ao seu compromisso. Assim, a pessoa não se pode dar ao luxo de, por vezes, alegar indisponibilidade para cumprir com o que é de seu dever, só porque já não lhe dá jeito ou há algo que lhe apraz mais fazer nesse momento.

Ou não será assim?

1:32 da tarde, janeiro 27, 2006

 
Anonymous Anónimo said...

necessario verificar:)

12:57 da manhã, novembro 20, 2009

 

Enviar um comentário

<< Home